A Bíblia, muito conhecida, pouco lida…

            A Bíblia é o livro mais famoso entre as sucessivas épocas da História pós-apostólica. Ela foi um dos primeiros livros a ser impresso, um dos mais traduzidos e certamente o mais divulgado. Entretanto, esta colecção de pequenos livros, tão mencionada entre os homens, talvez seja das menos lidas na sua totalidade. Tal realidade pode derivar do facto de que o Senhor tenha preferido escrever nos corações do que em papiros, pela constante leitura de trechos seleccionados nas liturgias cristãs, ou ainda pelo seu volume, o qual pode desanimar alguns, menos assíduos à leitura, a percorrê-la por completo.

            A verdade é que todas estas situações somadas envolvem muitas vezes o trabalho da teologia bíblica em brumas e temores. Entender o significado mais profundo das palavras, encontrar paralelos dos trechos em folhas vetero ou neo-testamentárias, ou até descobrir que passagens podem ajudar a compressão de outras, nem sempre é fácil. Assim ficamos admirados quando ouvimos contar que certos Padres ou Doutores da Igreja, como São Tomás de Aquino, sabiam as Sagradas Escrituras de cor, citando-as sem necessidade de consulta.

            Contudo, acreditando firmemente que tais homens podiam exercer qualquer uma das atividades da teologia bíblica acima descritas com desembaraço, a verdade é que, às vezes, é um pouco difícil imaginar como isso poderia de facto acontecer. Com o curso  de Introdução à Teologia Bíblica ministrado pelo Pe. Hernán Cardona no Instituto Teológico Aristotélico Tomista, de 13 a 17 de maio, tal objecção começou a mudar de semblante. Não só ele soube expor-nos com clareza, simplicidade e profundidade, os temas propostos, como também elucidou-nos acerca de dúvidas bíblicas surgidas ao longo de nossas vidas, citando trechos da Bíblia, de seus variados livros, sem qualquer necessidade de pesquisa. Os temas ensinados pelo professor em sala de aula, fizeram não só os ouvintes entender melhor a palavra de Deus, mas sobretudo, tomar contacto, sentir e crescer em amor em relação à própria pessoa de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Sérgio António Freitas Nunes; 1º Teologia

Francisco Duarte da Cruz

O assunto parece muito atual. Outros artigos resumindo a materia dada pelo padre Hernán seria interessantíssimo. Aguardamos.

Denise Aparecida D. da Cruz

Gostei muito do assunto. Quem sabe se não seria possivel publicarem outros artigos sobre esta materia? Aguardo.

Deixe uma resposta