Estudo aponta a religião como fator de minimização da criminalidade

Segundo estudo Religião e criminalidade no Brasil: primeiras evidências sob enfoque econômico, apresentados por Susanne Rodrigues Murta, Ari Francisco de Araujo Jr. e Cláudio D. Shikida, ao Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (IBMEC) de Minas Gerais, os católicos brasileiros tem menos tendência à criminalidade do que os indivíduos sem religião. crime II

Entre os criminosos que confessam uma religião verifica-se que “os indivíduos que são religiosos apresentam menor tendência de praticar crime com uso de violência”.  Conforme os estudiosos, “há evidências de que a religião é um complemento às políticas públicas que visam a minimização da ocorrência de crimes no Brasil, especificamente, crimes violentos como o homicídio”.

No tocante às denominações religiosas, o estudo apresenta a análise de M. Neri, Economia das Religiões, publicado no Rio de Janeiro em 2007, que, de forma bem sucedida, criou um mapeamento da evolução das crenças religiosas até o Censo de 2000 no Brasil. O autor descreve a proporção de pessoas que confessam cada religião nos presídios brasileiros. A presença dos “sem religião” é de 16,19%, mais do que o dobro da proporção encontrada no total da população; a presença dos pentecostais é praticamente a mesma em relação à população, por volta de 10,5%.  Os católicos têm menor representatividade entre os presidiários, a proporção é de 51,93% e na população é de 73,89%.

Isabel

Salvo erro de interpretação, este artigo trata o tema da criminalidade com violência (física). Gostaria de saber se os resultados são/seriam os mesmos em relação às outras formas de criminalidade, consideradas menores (política, económica, institucional…).
De um modo geral, a violência existe quando existe um sentimento de injustiça. Dependendo dos casos, esse sentimento pode ter verdadeiras ou falsas motivações.
Quando uma classe dominante fecha os olhos perante as opressões e necessidades de um povo, abusa de seus poderes e gera uma sociedade criminosa. Hoje, no mundo ocidental, tem-se verificado um aumento da criminalidade em geral: no seio da família, na escola, na rua, no emprego, etc. Os governos têm desenvolvido e sobrevalorizado a ideia do sucesso económico ao ponto de sufocar o lado humanista da sociedade.
Quando a maioria de uma população é católica e o seu país entra num processo de degradação moral, o que não funciona? A tal hipocrisia.

Deixe uma resposta