Entrevista com o Novo embaixador do Brasil junto à Santa Sé

Cidade do Vaticano (Sexta-feira, 11-11-2011, Gaudium Press) O novo embaixador do Brasil junto à Santa Sé, Almir Franco de Sá Barbuda, concedeu uma entrevista exclusiva à Gaudium Press sobre as perspectivas para a sua gestão e a importância das relações o país com a Santa Sé.

Gaudium Press – No último dia 31 de novembro, Sua Excelência se reuniu com o Papa Bento XVI para apresentar suas credenciais. Quais são suas impressões sobre esse encontro?

Embaixador Almir Franco de Sá Barbuda – Foi muito bonito. O Papa está muito atento e muito bem informado sobre o Brasil. Ele conhece muitos aspectos da cultura brasileira, economia e meio ambiente. Ele é um homem muito experiente. Foi um momento muito emocionante para mim e acho que para o país.

GP – Quais partes do discurso do Papa em sua opinião são mais importantes para a futura cooperação entre o governo brasileiro e a Igreja Católica?

barbuda

Embaixador – Claro, eu enfatizei muitos dos pontos de acordo entre o Brasil e a Igreja Católica, que foi assinado em 2007. O Papa está muito agradecido por este Acordo. Este foi o primeiro ponto. Depois falamos sobre o meio ambiente. O governo faz tudo o que pode para proteger a região. E ele estava muito preocupado com a família. E o outro ponto importante foi a preocupação do Santo Padre com a saúde do ex-presidente Lula. O Santo Padre disse que iria rezar para ele se recuperar logo.

GP – Em seu discurso, o senhor mencionou que é uma “grande honra” e uma “enorme responsabilidade” representar o Brasil na Santa Sé. Quais são seus principais objetivos neste novo desafio?

Embaixador – No contrato não há realmente nada de novo, porque o Acordo contém todos os direitos especiais que a Igreja Católica já tem no Brasil. Reunimos tudo em um só documento. Este é o ponto principal. Há outros aspectos positivos, tais como as relacionadas com a preservação de monumentos católicos no Brasil, tais como igrejas antigas, a imagem do Cristo Redentor no Rio de Janeiro e muitos outros.

Eu disse ao Papa que temos tantos monumentos católicos no Brasil que a história do país pode ser contada através deles, citando apenas as igrejas católicas a partir da data da descoberta da nossa terra em 1500 pelos portugueses e como, até agora, a Igreja continua a construir no Brasil. A Igreja Católica é muito importante no país. O número de brasileiros batizados chega a quase 160 milhões, ou seja, 70% da população. Portanto, somos o país com o maior número de católicos no mundo. Isso mostra porque temos uma relação especial com a Santa Sé.

GP – Quais as áreas que gostaria de desenvolver relações com a Santa Sé?

Embaixador – Há uma grande parceria entre o Brasil e a Santa Sé. A Igreja Católica no Brasil é muito ativa na vida social e educacional. Há também muitos hospitais católicos. A Igreja trabalha muito com o governo ajudando a tirar as pessoas da pobreza extrema para trazê-lo para a classe média. Nos últimos dez anos, mais de 4 milhões de pessoas deixaram a pobreza extrema, com a ajuda da Igreja. Agora estamos trabalhando juntos para a realização da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) que acontecerá no Rio de Janeiro em 2013.

GP – Como o governo brasileiro contribuirá para a realização deste envento?

Embaixador – Já foi formada uma comissão especial do governo brasileiro, do estado do Rio de Janeiro e a cidade do Rio de Janeiro, além é claro, da Conferência Episcopal dos Bispos do Brasil (CNBB) e, em primeiro lugar, o arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta. Aqui, nós como Embaixada também estamos tentando ajudar da melhor maneira possível.

GP – Qual é a importância do evento para o país?

Embaixador – Este é um momento especial porque será a segunda vez que o Papa Bento XVI irá para o Brasil. A primeira vez foi em 2007 para atender a todos os bispos das Conferências Episcopais da América Latina em Aparecida (SP). Ele ter escolhido o Brasil para ser a sede da Jornada para que possa voltar ao país pela segunda vez é uma grande honra e estamos orgulhosos disso.

GP – Na opinião do senhor, qual o papel que da Igreja Católica no mundo moderno e, especialmente no Brasil? E qual é a importância de sua presença no debate público?

Embaixador – Como eu disse: a colaboração no trabalho de retirar as pessoas da pobreza. Ela nos ajuda na educação, social e do funcionamento dos hospitais. Tem um importante papel desempenhado pela Conferência Episcopal, que está presente em todo o país. Bispos e sacerdotes são muito ativos em todos os cantos do Brasil. Eles também ajudam os índios.

Anna Artymiak

Deixe uma resposta