Centenário de um grande tomista

Realizou-se em Roma o primeiro Congresso Internacional sobre o pensamento e a vida do Pe. Cornelio Fabro, um grande tomista do século XX. O auditório do “Palacio da Chancellaria” (onde funcionam os Tribunais da Santa Sé) foi o marco para dois densos dias de exposições brilhantes, animados debates e a lembrança de um filósofo e teólogo refulgente de vida interior, dedicado sacerdote e cuidadoso pastor de almas. O Congresso teve sua clausura na Basílica de São Lorenço fora dos Muros, junto ao cemitério onde repousam os restos do Pe. Fabro.

Sua vida foi marcada por um amor à Igreja que se refletia numa particular aplicação ao estudo, sem descurar o ministério sacerdotal. Ao longo de 50 anos de vida em Roma (como consultor de Dicastérios e Professor em universidades pontifícias e civis) era conhecido pelo tempo que passava no confessionário, sendo muito procurado pelos fiéis na sua paróquia da Santa Cruz (na via Flaminia), anexo à casa da Congregação da qual fez parte: os Estigmatinos.

35O Papa João Paulo II, na visita pastoral à paróquia (23/2/1997), lembrou esta grande personalidade, que tinha conhecido de perto. Com efeito, o Pe. Fabro, no seu “Testamento Espiritual”, agradece a Deus os dons da vida, do batismo, da vocação religiosa e sacerdotal, a fé recebida de seus genitores, a aptidão particular para os estudos e tantos dons gratuitamente recebidos da Providência; e ressalta especialmente a graça de ter sido ser colaborador de quatro Romanos Pontífices (Pio XII, João XXIII, Paulo VI e João Paulo II): o que ele chama “a honra de ter sido um soldado de Cristo Jesus” (miles Christi Jesus).

O Congresso realizado em Roma contou com expositores de alto relevo, como o Pe. Luis Romera (reitor da Pontifícia Universidade da Santa Cruz), o Pe. Mauro Mantovani, SDB (vice-reitor e decano de Filosofia da Pontifícia Universidade Salesiana), o Pe. Charles Morerod, OP (reitor da Pontifícia Universidade Angelicum e Secretário da Comissão Teológica Internacional da Congregação para a Doutrina da Fé), D. Marcelo Sanchez Sorondo (Chanceler da Pontifícia Academia de Ciências), o Prof. Giuseppe della Torre (reitor da Universidade Maria Assunta), e tantos outros docentes de centros de estudos europeus ou sul-americanos.

Deixe uma resposta