Ordenação diaconal: 32 novos servidores do Evangelho

No dia primeiro de julho, às dez horas da manhã, na Igreja Nossa Senhora do Rosário, foi celebrada a Eucaristia durante a qual Dom Benedito Beni dos Santos, Bispo Diocesano de Lorena, ordenou Diáconos para a Santa Igreja 32 acólitos.

Com o rito de ordenação diaconal, os trinta e dois candidatos ingressaram na ordem clerical, naquela categoria de servidores do Evangelho que se iniciou com os primeiros sete diáconos ao receberem a imposição das mãos dos próprios Apóstolos (cf. At. 6,1-6). Entre aqueles, destaca-se especialmente Santo Estevão, o primeiro a dar testemunho de Jesus Cristo com o derramamento de seu sangue.

São Policarpo, discípulo de São João Evangelista afirmava já no segundo século do cristianismo que “os diáconos, da mesma forma, sejam irrepreensíveis diante da Sua justiça, como ministros que são de Deus e de Cristo, e não dos homens: nem caluniadores, nem falsos, mas desinteressados, continentes em tudo, misericordiosos, diligentes, caminhando segundo a verdade do Senhor, que se fez ministro e servo de todos”[1].

Todos os diáconos recentemente ordenados são membros de compromissos definitivos da Sociedade Clerical Virgo Flos Carmeli, e ficam, em virtude desta ordenação, incardinados na mesma Sociedade.

A cerimônia foi concelebrada pelo Mons. João Scognamiglio Clá Dias, EP, Superior Geral da Sociedade Clerical de Vida Apostólica de Direito Pontifício Virgo Flos Carmeli; Mons. Rafael Ramón Ibarguren Schindler, EP, Administrador Apostólico do Vicariáto Apostólico de San Miguel de Sucumbíos; Pe. Antonio Edseu da Silva, Cura da Catedral Basílica do Senhor Bom Jesus e Chanceler da Arquidiocese de Cuiabá; Pe. José Joaquim Damásio Neto, Chanceler da Diocese de Assis; Pe. Kleberson Paes da Silva, Reitor do Santuário Eucarístico Nossa Senhora do Bom Despacho e Coordenador Arquidiocesano de Pastoral da Arquidiocese de Cuiabá; Pe. Vanderlei Rivelino Ghelere – Capelão Militar do Ordinariato Militar de Ponta Grossa; Pe. Manuel Herrada Montes, Pároco de Cantória, Diocese de Almeria, Espanha; Pe. José Josivan B. de Sales, Paróco do Bom Jesus do Arraial, Recife (PE); Pe. Osvaldo Acosta, reitor do Seminário Beato José de Anchieta, do Verbo Divino, em São Paulo; Pe. Santiago Ignácio Morazzani Arráiz, Vigário paroquial de Nossa Senhora das Graças.

Na homilia Dom Beni relacionou aspectos da antropologia de origem semítica com a festa do Sagrado Coração de Jesus. Ressaltando o coração como imagem da dimensão espiritual do homem, o Bispo de Lorena demonstrou com verve e profundidade que a ação do diácono no mundo atual deve ser inspirada na mansidão e na humildade do Coração de Jesus: “aprendei de mim que sou manso e humilde de coração” (Mt 11,29).

Regeu o Coro e Orquestra Internacional dos Arautos do Evangelho o Revmo. Pe. Pedro Rafael Morazzani Arráiz, EP, Vigário Geral da Sociedade Virgo Flos Carmeli, Reitor do Seminário Maior da mesma Sociedade, e Vigário paroquial de Nossa Senhora das Graças.


[1] Cf. Carta de San Policarpo a los Filipenses, in “Padres Apostólicos”, Madrid, BAC, 1985.

Margarida Guimarães Santos

Estamos cheios de alegria e entusiasmo por saber que nossa Igreja Católica Apostólica Romana está cheia de vida. A ordenação diaconal de 32 membros da ordem primeira dos Arautos é a antecipação de que, num breve futuro, sejam dados à nossa Igreja, 32 sacerdotes de uma só vez. Existe maravilha maior no contexto do mundo em que estamos vivendo? Certamente que não! Obrigada a Deus Pai, Filho e Espírito Santo por tão grande graça! E que Suas bençãos continuem sendo derramadas nesta época de tantas misérias humanas. Salve Maria! E que venham MUITO MAIS!!!!!

Larissa Manerich

nossa foi muito bom pois fui na ordenação pois sou uma estudante do colégio arautos do evangelho em joinville.

Denise Defanti

Rezo todos os dias a Nossa Senhora para que aumente cada vez mais as vocações sacerdotais,o mundo precisa urgentemente de santos sacerdotes,só pelas fotografias dá para ter uma idéia da beleza da cerimônia .

Samuel Moreira

Magnífico!

Não existem palavras que descrevam o imponderável das bençãos que pairam nesta Igreja.
Muito mais que um tempo, é uma Igreja Viva, renovada, impelida pelo sopro do Divino Espírito Santo que faz nova todas as coisas…

É sensível a graça de Deus no interior destas paredes sagradas, sobretudo pelo espírito de oração, de caridade, de amor, adoração à Sagrada Eucaristia, devoção Mariana, e de modo singular a fidelidade ao Santo Padre de que são exemplo os Arautos do Evangelho!

Parabéns aos Arautos e a seu fundador, pois é pelos frutos que se conhece a árvore..!

Nós Católicos nos sentimos revigorados na fé, realmente alimentados espiritualmente ao contemplar maravilhas como essa!

Com toda certeza podemos dizer como o Rei Clovis, primeiro Rei Católico dos Francos, onde no dia de seu batismo, realizado por São Remígio, sentindo o imponderável de bençãos que pairavam no interior da Igreja de Reims, perguntou ao Bispo Remígio: “É este o reino dos Céus, ó santo Padre?”. E São Remígio responde: “Não, é o caminho que conduz ao Céu!”.

Deixe uma resposta