Pe. Carlos Arboleda Mora, 36 anos de ministério sacerdotal

Hernán Luis Cosp Bareiro – 3º ano teologia

O Revmo. Pe. Carlos Arboleda Mora, sacerdote da Arquidiocese de Medellín, Colômbia, e Doutor em Filosofia pela Universidade Pontifícia Bolivariana (UPB), celebrou a 30 de novembro uma solene eucaristia, na igreja anexa ao Seminário São Tomás de Aquino, por ocasião do 36º aniversário de sua ordenação sacerdotal.Pe Arboleda
Na missa estiveram presentes alunos e ex-alunos do Pe. Carlos, que através da sua presença manifestavam profunda gratidão a tão dedicado professor e orientador. A cerimônia também contou com a presença de inúmeros estudantes do Instituto Teológico São Tomás de Aquino (ITTA). O Pe. Carlos Arboleda foi, inclusive, orientador da tese de doutorado de Mons. João Scognamiglio Clá Dias, EP, fundador do ITTA, intitulada O dom de sabedoria na mente, vida e obra de Plinio Corrêa de Oliveira.
Na homilia, recordou que o aniversário de alguém é sempre uma ocasião propícia para alegrar-se com as lembranças da juventude, especialmente das graças do Seminário e do início da vida sacerdotal. Simultaneamente a esses dons divinos, o Pe. Arboleda recordava que naquela época ouviam-se rumores e teologias contrárias à mensagem evangélica, e afirmou que “face às correntes teológicas opostas à doutrina católica, a Igreja deve responder com a ‘Teologia da Experiência de Deus’, não apenas com um compromisso sociopolítico”.
Após elaborar um breve e preciso elenco dos grandes desafios para a evangelização na atualidade, como “a violência urbana, o pluralismo religioso, o indiferentismo religioso, o relativismo moral e a coexistência medíocre dos que cedem à secularização”, recordou que “João Paulo II defendia a resposta da identidade. A Igreja não é uma ONG. Frente ao secularismo, além das obras sociais, a Igreja deve, sobretudo, refletir o amor de Deus. Não devemos distribuir somente vestimentas e alimentação, mas sim Jesus Cristo”.
E continuou: “A Igreja necessita de vocês. Necessita de teólogos que como outrora, no tempo da escolástica, faziam teologia ‘de joelhos’ através da experiência de Deus e da graça mística”.
Ao final da cerimônia, o Revmo. Pe. Carlos Werner Benjumea, EP, agradeceu “em nome de Mons. João Clá, a preciosa orientação para a tese de Teologia, assim como todo o sentimento de amizade”. A fim de tornar sensível este sentimento, foi oferecido ao Pe. Arboleda um pássaro de pedras coloridas, artesanato típico brasileiro.
Como agradecimento, o sacerdote aniversariante recordou que “em meados do Séc. XII, por ocasião da construção das primeiras catedrais góticas, seus idealizadores afirmavam que cada pedra colorida posta no templo recordaria a glória de Deus. Ao contemplar as pedras do Brasil, incrustadas nesta ave, recordarei com alegria a glória do Criador”.

Deixe uma resposta